IP Casa de Oração - Rua Moreira Neto, 283 - Guaianases - São Paulo

terça-feira, 17 de abril de 2012

Um castigo edificante

Muitas vezes não sabemos como agir com uma criança travessa.
Eles tem uma imaginação tão viva e criativa, que inventam travessuras inimagináveis, que acabam transtornando os pais e professores.
Muitas vezes esquecemos que devemos educá-las com amor, mas também com pulso firme. Devemos pernsar em castigos que possam ser levados para a vida toda, mas não como um resultado de um trauma e sim, como uma lição que poderá mudar a visão da criança, quando ela obedecer.
Li outro dia uma história que você pode usar na aula, enquanto professor, trabalhando com visuais criados para apresentá-la aos alunos, respeitando cada uma das idades/classes. mas também poderá aprender com estepai a delegar à criançaa travessa a responsabilidade d erefazer o que desfez.


Como todos os meninos, eu era curioso e um pouco destruidor. Um dia cometi a travessura de fazer uns buracos em uma das portas de nossa casa, para ficar espiando o que ocorria na rua.
xxxx
Procurando dar-me um castigo educativo, meu pai fez-me reparar o estrago que causara.
xxxx
- Vá buscar uns pedaços de madeira, e procure cortá-las de modo a se ajustarem nos buracos; depois passe a lixa.
xxxx
Fiz o trabalho um pouco envergonhado, e, ao terminá-lo, era pouca a vontade que tinha de olhar para a porta verde com aqueles círculos brancos.
xxxx


Meu pai então me disse que eu devia pintá-los da mesma cor da porta, e me deu dinheiro para comprar tinta.
xxxx
A que arranjei não era exatamente da mesma cor, e por isso, por insistência do meu pai, pintei toda a porta.
xxxx
Desde esse momento, surgiu em mim uma espécie de gosto para melhorar e reparar as coisas da nossa casa.
xxxx
Pintei seis portas e duas janelas, que não ficaram mal, sentí-me orgulhoso de ser pintor, e minha atitude mudou em consequência daquele castigo que terminou em forma agradável e boa.
xxxx

Carlos Salazar, México